Nelson MandelaFaleceu nesta quinta-feira, dia 5 de dezembro, aos 95 anos em Pretória, o líder sul-africano Nelson Mandela, que foi presidente da África do Sul entre 1994 e 1999. Mandela ficou internado de junho a setembro devido a uma infecção pulmonar. Ele deixou o hospital e estava em casa.

A morte de Mandela foi anunciada pelo atual presidente da África do Sul, Jacob Zuma, que disse: “Ao nosso amado Madiba (como Mandela era carinhosamente chamado), será concedido um funeral com honras de chefe de Estado. Ele partiu, ele se foi pacificamente na companhia de sua família”, afirmou o presidente. “Ele descansou, ele agora está em paz. Nossa nação perdeu seu maior filho. Nosso povo perdeu seu pai.”

Conhecido como “Madiba” na África do Sul, ele foi considerado um dos maiores heróis da luta dos negros pela igualdade de direitos no país e foi um dos principais responsáveis pelo fim do regime racista do apartheid, vigente entre 1948 a 1993. Nelson Mandela foi condenado à prisão perpétua em 1964, e saiu da cadeia depois de 27 anos para ser o presidente da África do Sul: com resistência e esperança.

Devido sua vida ser exemplo para todos os povos, em 2010 foi criado o “Dia Internacional Nelson Mandela”, por determinação da Organização das Nações Unidas.

Durante as comemorações deste ano, uma das instituições que homenagearam Nelson Mandela foi a Igreja Metodista, a qual o líder reconhecia como sua igreja, desde os tempos de menino, quando foi educado numa escola metodista da África do Sul. Em 1999, já como presidente do país, Mandela afirmou: “Durante todos os anos de opressão e discriminação, a religião deu ao povo incontável determinação e o compromisso para resistir à desumanidade. Muitos extraíram da religião a coragem para sobreviver à dor (…). Nós recordamos como os organismos religiosos foram responsáveis pela instrução dos milhões de africanos do sul quando o governo nos negou. Nós recordamos como durante nossos anos na prisão a nossa igreja e outras comunidades religiosas nos atenderam, trazendo o cuidado e o incentivo espirituais através dos capelães que nos visitaram; e importando-se com nossas famílias quando nós não podíamos assisti-las (…)”.

Thomas Kemper, chefe executivo da Junta Geral de Ministérios Globais da Igreja Metodista Unida, testemunha que, durante sua infância na Alemanha, via Mandela como um herói. “Ele representou o melhor de nossa tradição metodista e mostrou coragem e determinação em face de enormes dificuldades”.

Nos Estados Unidos, Mandela teve “uma enorme influência sobre os líderes do movimento dos direitos civis e da igreja negra”, lembrou o Bispo Melvin Talbert, que ajudou o Conselho Mundial de Igrejas a monitorar a eleição presidencial de 1994 na África do Sul. “Seu legado viverá pelas gerações vindouras”.

Jan Love, diretora da Candler School of Theology, em Atlanta, destacou a humildade e a disposição de Mandela em servir à humanidade. “Sua perspicácia política, a disciplina pessoal e a perseverança contra sistemas opressivos arraigados e contra todas as adversidades tem poucos similares, em qualquer tempo e lugar “, disse ela.

Infelizmente a doença conduziu à morte o grande líder Nelson Mandela, que agora descansa nos braços do Pai. Esperamos, porém, que o Criador conceda ao mundo mais homens e mulheres como esse que representou tão profundamente o ideal de justiça e paz para todas as pessoas.  E que seu exemplo continue plantando sementes e gerando frutos de esperança.   Tão fortes e resistentes quanto ele.

Share
 

1 Comment

  1. Nidia Schunemann disse:

    Realmente foi um grande homem, teve muita importância para humanidade. Pessoa rara e admirável.

Deixe um comentário