“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Porque aquele que pede recebe; e o que busca encontra; e, ao que bate, se abre. E qual dentre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra? E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente? Se, vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas {ou boas dádivas} coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que {está} nos céus, dará bens aos que [lhe] pedirem? Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas”. (Mateus 7:7-12)

A oração é um grande mistério e até mesmo um grande paradoxo dentro dos ensinamentos bíblicos. Ao mesmo tempo em que somos incentivados a orar por situações impossíveis aos olhos humanos, nos deparamos com o fato de que a vontade de Deus é soberana em nossa vida.

Existe um mistério que envolve a oração. Na medida em que mergulhamos neste mistério e fazemos da oração uma prática diária em nossa vida nos deparamos com a realidade de que a vontade de Deus e a nossa oração se encontram na mesma estrada e seguem a mesma direção. Assim, quando oramos coisas acontecem!

Quando oramos as circunstâncias ao nosso redor podem mudar, mas, acima de tudo, o que muda é o nosso próprio coração. Certa vez quando questionado a respeito de suas orações, se acreditava realmente que elas poderiam mudar a vontade de Deus, C. S. Lewis, o famoso escritor Inglês e autor das Crônicas de Nárnia, respondeu: “Quando oramos não é o coração de Deus que muda, mas o nosso”.

A oração não é um meio para manipular a Deus e conseguir tudo aquilo que desejamos, mas uma postura de reconhecimento de que Deus está no controle e nossa vida está em Suas mãos. A oração é um relacionamento e não um requerimento! Apesar de ser um grande mistério podemos identificar alguns princípios muito simples a respeito da oração. Eu os chamo de segredos da oração. Não porque estão escondidos, mas por que poucos atentam para eles:

1º. Às vezes nós não alcançamos bênçãos porque não pedimos!

Quase concluindo o famoso Sermão do Monte, Jesus disse aos seus discípulos: “Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta” (Mt 7.7-8).

Perceba a intensidade das palavras de Jesus que nos incentiva a orarmos a Deus. Entretanto, muitos de nós não temos tempo para a oração e deixamos de alcançar o favor de Deus simplesmente por não orarmos e não pedirmos.

2º. Às vezes nós não alcançamos bênçãos porque pedimos errado!

As pessoas geralmente buscam a Deus através da oração para pedir coisas que desejam “ter” e não aquilo que deveriam “ser”. Segundo o contexto do sermão da montanha, Jesus está ensinando seus discípulos a serem mais humildes de espírito, mansos, misericordiosos, amarem o próximo, confiarem em Deus, etc.

Quando pedimos incorretamente somos como filhos egoístas que pensam apenas em si mesmos. Veja o que diz Tiago: “Vocês vivem a lutar e a fazer guerras. Não têm, porque não pedem. Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres” (Tg 4.2-3).

3º. Às vezes não alcançamos bênçãos porque não temos intimidade com Deus!

Quem pede algo para quem não conhece pode ser considerado um “cara de Pau”. Assim também, quando despejamos um caminhão de pedidos diante de Deus sem ao menos termos um pingo de intimidade com ele passamos por “caras de pau”. Antes de orar pedindo coisas a Deus deveríamos orar para nos tornarmos mais íntimos de Deus.

4º. Deus atende nossos pedidos como os pais atendem aos pedidos dos filhos!

Jesus também disse aos seus discípulos: “Qual de vocês, se seu filho pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou se pedir peixe, lhe dará uma cobra? Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai de vocês, que está nos céus, dará coisas boas aos que lhe pedirem!” (Mt 7.9-11).

A resposta de Deus, assim como de um pai ou mãe os seus filhos, pode ser: Sim, Não, ou Espere! Os pais nem sempre satisfazem todas as vontades de seus filhos, pois algumas delas são equivocadas. Entretanto, bons pais procuram sempre suprir as necessidades de seus filhos. Na medida em que nos tornamos íntimos de Deus através da oração nossa vontade e nossa necessidade acabem tomando a mesma estrada da vontade de Deus.

5º. Deus atende a nossa oração na medida em que também nos dispomos a abençoar os outros!

Jesus conclui sua conversa com os discípulos dizendo: “Assim, em tudo, façam aos outros o que vocês querem que eles lhes façam; pois esta é a Lei e os Profetas” (Mt 7.12).

Este é um grande mistério, mas existe uma relação muito estreita entre abençoar e ser abençoado. Na medida em que nos dispomos a abençoar a vida daqueles que nos cercam somos abençoados por Deus para que possamos abençoar mais.

Que Deus te abençoe em sua vida de oração.

Adrien Bausells

Share
 

1 Comment

  1. Lenka disse:

    Muitas vezes oramos e sentimos que nossas orações não passam do teto. Mas uma coisa eu aprendi, que não é preciso passar do teto, sabem por que? Porque Deus está ao nosso lado ouvindo a nossa oração sincera. Quando suas orações acabarem, Jesus ainda ouve o seu chorar. Obrigada pelo post sobre a oração, pois é algo que aprecio muito. Abraços!

Deixe um comentário