O versículo primeiro do Salmo 125 diz: “Os que confiam no Senhor são como o Monte de Sião, que não se abala, mas permanece firme para sempre”.

Dias atrás assisti a um documentário americano. Nele eram explicados os fenômenos decorrentes da força dos furacões. Sua passagem destrói casas, sítios, clubes, enfim, cidades inteiras. Porém, algo impressionante às vezes acontece: em meio a tanta destruição, às vezes uma ou outra construção permanece intacta, sem ser atingida pela fúria do vento. Ao redor tudo é tragédia: teto, paredes, árvores, tudo destruído, desarraigado. Mas a casa poupada está em pé, sem um único problema. Até os papéis soltos em cima da mesa continuam no lugar. Algo impressionante!

O texto citado acima nos fala de algo semelhante àqueles que decidem voluntariamente confiar em Deus.

Ele diz: “Os que confiam”. Confiar é acreditar realmente. Confiar é crer sem duvidar. A firmeza não está para os que duvidam, para os que não têm muita certeza. Confiar é entregar a chave, é sair de casa e ficar descansado, certo de que a deixou em boas mãos. Confiar é sentar-se no banco do passageiro e confiar no motorista. Confiar é convidar alguém para falar à família e ter certeza de que só coisas úteis e cristãs serão abordadas. Confiar é, na expressão popular, “colocar a mão no fogo”. A promessa do versículo é que os que confiam não serão abalados. Mas só os que confiam.

O texto continua, dizendo: “Os que confiam no Senhor”. Não é uma confiança banal, cega, em qualquer coisa. A firmeza é para aquele cuja confiança está depositada em Deus. Sim, no Criador, no mantenedor de todo o universo, nAquele que conhece todas as coisas e é capaz de manter tudo sob Seu controle. Não se entrega uma oficina mecânica à um bebê de dois anos, ou uma cirurgia a um estudante de primeiro ano de economia. Não se dá um avião na mão de um piloto formado por correspondência, ou um aparelho eletrônico quebrado a um técnico de agricultura.

A firmeza prometida no versículo é para aquele que confia no Senhor. Confiança no “Eternamente Capaz”. A promessa é para aquele que confia inteiramente, que sabe que Deus é competente, que quer o nosso bem, que pode operar maravilhas e que tudo faz para cumprir Seus desígnios. É como confiar num estrategista militar. Seus subalternos podem dizer: “Não sei onde ele quer chegar, nem sei como ele pretende fazer; mas sei que ele vai vencer, e aposto minha vida no seu plano ! ”. Isso é confiança!

Àqueles que confiam no Senhor há algo fatalmente previsível: “Não se abalam”. É certo que as montanhas são bastante estáveis. São antiqüíssimas, resistem muito bem à terremotos, não sucumbem ante enchentes, protegem contra vendavais, enfim, são bastante firmes.

Diz a Bíblia que “os que confiam no Senhor são como o Monte Sião”. Era o monte de Davi, um monte de Jerusalém muito conhecido e amado. Era símbolo da firmeza concedida por Deus. Este monte existe até hoje. Lá está, firme e seguro. Desde que o salmista escreveu o Salmo 125, milênios se passaram; impérios sucumbiram; governos se foram; povos se espalharam; vegetações pereceram; civilizações se sucederam; construções foram erguidas e destruídas Mas o monte lá está, firme e forte, idêntico aos que confiam no Senhor. Que promessa maravilhosa!

Por fim, o texto diz: “permanece firme para sempre”. O crente sincero e fiel não volta para trás. Ele permanece firme. Não vive solto, sujeito à todo vento de doutrinas, à toda tentação do maligno. O autêntico crente está firmado em Deus, e não perde a sua salvação, nem a sua estabilidade em Deus. O Senhor é quem o sustenta. Jamais será abalado!

É certo que lutas vêem e virão. Muitas aflições, muitas provas, muitas dúvidas lançadas pelo inferno na mente inquiridora e sincera. Mas, por fim, a promessa é que sempre haverá firmeza, até a eternidade.

Jesus Cristo, certa feita, disse que aqueles que ouviam Sua Palavra e a colocavam em prática eram semelhantes ao homem sensato que construiu sua casa sobre a rocha. Afirmou que dificuldades sobrevieram: ventos, enchentes, tempestades. Mas a casa ficou firme. Não por ser diferente daquela feita na areia (todos querem fazer boas casas) . A razão é que estava construída sobre chão firme, sobre a rocha. O crente está guardado por quem é fiel. Deus é quem o guarda. Não há tempestade que tire um crente fiel da firmeza no Senhor. Pode haver luta, dor, tristeza, mas nunca a ruína. Fiel é o sustentador do crente em Jesus. Deus é quem o guarda. Ele é a Rocha. Aqui e no além.

Você está firme no Senhor? Você está firme como o Monte Sião? Saiba que somente a confiança integral em Deus lhe dará estabilidade. O mundo pode dar alguma aparência de vigor, alguma ilusão de força e destreza. Mas somente Deus dará estabilidade.

Conta-se que um coqueiro veterano e idoso estava ereto em seu lugar, quando um pé de chuchu cresceu rápida e violentamente ao redor dele. O pé de chuchu lhe disse: “Viu só, coqueiro? Em dois meses eu ultrapassei você!”. Tranqüilo e confiante, o coqueiro lhe respondeu: “Nestes quase cem anos eu já vi dezenas de pés de chuchu insolentes e transitórios dizerem a mesma coisa. Como você é tolo…”. De fato, depois de dois meses o pé de chuchu não passava de uma porção de galhos secos…

Que você seja como o coqueiro. Ou melhor, que você seja como o Monte de Sião, que não se abala, mas permanece firme para sempre.

Share
 

2 Comments

  1. João disse:

    Por favor, quais as diferenças doutrinárias entre Igreja Batista do Sétimo Dia e Igreja Adventista do Sétimo Dia?
    Se puderem me ajudar, agradeço.

  2. Fabricio disse:

    Olá João, paz do Senhor Jesus!

    Me mande um e-mail: fabricio-sm@hotmail.com

    Eu irei lhe passar um estudo comparativo entre os Batistas do 7º Dia. e a Ig. Adventista.

    Abraço!

    Fabricio

Deixe um comentário